59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

GESTAÇÃO ECTÓPICA CERVICAL PÓS-FIV: RELATO DE CASO

CONTEXTO

Gravidez ectópica (GE) é a implantação do blastocisto fora da cavidade uterina, sendo mais comum nas tubas uterinas (95%) frente a ovários (0,15%) e colo uterino (0,15%)1. Sua incidência varia de 0,3 a 1,4 % nas gestações espontâneas e 2,2 a 8,6 % em gestações por fertilização in vitro (FIV)2. Potenciais causas de GE são anomalias congênitas nas tubas, uso de dispositivo intrauterino, endometriose, infecção pélvica e FIV4.
O tratamento clínico e cirúrgico para GE são efetivos, cuja escolha depende dedados clínicos, local de implantação e recursos disponíveis5. Considerando a elevada morbimortalidade na abordagem cirúrgica da GE, o tratamento clínico com metotrexato (MTX) tem sido aplicado como primeira opção5.

DESCRIÇÃO DO(S) CASO(S) ou da SÉRIE DE CASOS

Paciente, G3P0E3, com FIV realizada ha 30 dias, IG 5 semanas e 5 dias, relata inicio de sangramento vaginal há 7 dias, sem perdas vaginais no momento. Ultrassonografia (USG) endovaginal mostrou 02 imagens císticas, com maior diâmetro 11,9 mm; fluxo periférico ao Doppler, sugerindo sacos gestacionais em endocérvice; ausência BCF e líquido livre. Paciente apresenta história de endometriose com duas transferências (FIV) prévias que evoluiram com GE.
Paciente internada, apresentando critérios para tratamento clínico GE, com hemograma, transaminases e função renal normais, e β-HCG 1809. Administrado MTX dose única (DU) 50mg/m2 IM; evoluiu estável, com valores de βHCG 4º DIH 3142 e 7º, 3932. Sem resposta esperada, optou-se por repetir mesma dosagem de MTX 7º DIH. No 10º DIH, apresentou βHCG 4150 e 3945 no 13º. Diante do aumento β-HCG e USG com redução de fluxo cervical, considerou-se falha tratamento clínico com indicação abordagem cirurgica. Realizado preparo de colo com misoprostol 400 mcg, seguido de curetagem sem intercorrências. No 15º DIH, com queda βHCG para 3084, a paciente recebeu alta hospitalar com orientações e acompanhamento de βHCG semanal. O controle β-HCG apresentou queda progressiva até negativação.

COMENTÁRIOS

O caso descreve paciente risco aumentado GE para mais de 25% pela história FIV, endometriose e 2 GEs anteriores. Paciente com critérios para tratamento clínico, sem contraindicações (clínico ou laboratorial), BCF ausente, massa anexial <4cm e βHCG ≤ 50007. Optou-se pelo esquema dose única pela simplicidade, melhor perfil de efeitos colaterais, além de eficácia semelhante ao esquema de 2 doses. A resposta ideal ao tratamento dose única com MTX corresponde a redução de pelo menos 15% no βHCG entre 4º e 7º dias. o que não se observou.

PALAVRA CHAVE

gravidez ectópica, fertilização in vintro, metrotexato

Área

GINECOLOGIA - Reprodução Humana

Autores

DANIELLE FLÁVIA GOMES GUILHERME, VIVIANE DE SOUZA MENDES, ANDRESSA ROCHA MEIRELES

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo