59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

Cesariana em CTI por pré-eclâmpsia grave e COVID-19: um relato de caso.

CONTEXTO

A pré-eclâmpsia (PE) é um distúrbio progressivo multissistêmico, caracterizado pela hipertensão, geralmente acompanhado por proteinúria e/ou disfunção de órgão-alvo decorrente de disfunção vascular materna e placentária. Isso fortalece a hipótese de que o estado hiperinflamatório na COVID-19 possa estar associado a lesão por hipóxia na placenta e desenvolvimento da PE. A seguir é relatado um caso de uma paciente com grave infecção por SARS-CoV2 e desenvolvimento de PE grave levando ao desfecho gestacional com 28 semanas em unidade de terapia intensiva.

DESCRIÇÃO DO(S) CASO(S) ou da SÉRIE DE CASOS

R.A.M, 36 anos, IG 27 semanas e 2 dias, procura pronto atendimento no dia 20/02/2021 com queixas de náuseas e vômitos. Refere tosse, anosmia e ageusia com início há 6 dias. Durante o atendimento queixa-se de dispneia aos esforços. Ao exame físico, apresentava SatO2 de 94% em ar ambiente, com a piora da saturação, optou-se pelo início de oxigenoterapia em óculos nasal à 4L/min. Teste rt-PCR SARS-CoV2 na internação positivo. Em enfermaria, apresentou PA 170x80 mmHg e SatO2 de 89% em uso de máscara de Hudson à 11L/min, relação proteinúria/creatininúria de 0,85. Controle pressórico manejado com anti-hipertensivos. Após sucessivos episódios de dessaturação, mesmo com O2 à 15L/min, houve a transferência para CTI e no dia 24/02 paciente foi intubada após importante piora. Ainda sob sedação, no dia 26/02 é submetida a cesárea de emergência por pré-eclâmpsia grave, SARA e alterações em provas de gravidade, em leito próprio da CTI, devido à instabilidade da paciente. RN vivo, APGAR 2/7. Sulfato de magnésio mantido durante 24 horas, com boa evolução pós-operatória e alta do ponto de vista obstétrico no dia 28/02/2021. Paciente seguiu com manejos clínicos com permanência em CTI até 12/04/2021. Após o parto, paciente apresentou melhora do quando hipertensivo, recebendo alta hospitalar no dia 29/04/2021 com seu RN.

COMENTÁRIOS

Paciente previamente hígida, gestante, apresenta infecção por SARS-CoV2 e desenvolve PE grave durante internação para manejo clínico de SARA. Sabe-se que o parto é o tratamento curativo para a evolução da pré-eclâmpsia. Logo, é possível levantar a hipótese que o desenvolvimento da PE aumenta a incidência de prematuros e baixo peso ao nascer em mulheres grávidas COVID-19 positivas.

PALAVRA CHAVE

pré-eclampsia; coronavírus; covid, gestação

Área

OBSTETRÍCIA - Doenças Infecciosas

Autores

Vinícius dos Santos Conejo, Lívia Aniz Vieira, Rita de Cassia Borges Chapon, Georgia Guedes Cruz, Filipi Miguel Pietroski, Cibele Borges Mendonça, Belkiss Sperandio de Sa

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo