59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

Análise sobre a satisfação sexual de mulheres lésbicas e bissexuais do Sul do Brasil

OBJETIVO

Conhecer o nível de satisfação sexual das pacientes lésbicas e bissexuais, para que recebam um atendimento ginecológico adequado, tanto para atender suas expectativas quanto para promoção de saúde diante das suas reais necessidades.

MÉTODOS

Realizou-se um estudo observacional transversal analítico. As participantes responderam de forma voluntária e anônima a um questionário adaptado em formato Google Forms®, disponível online e divulgado através de mídias digitais, para mulheres maiores de 18 anos de todas as orientações sexuais, de setembro a dezembro de 2020. Os dados foram planilhados e analisados com o auxílio do programa Graph Pad Prism 5.0 e os valores de p foram considerados significativos após a correção de Bonferroni.

RESULTADOS

Responderam à pesquisa, 751 mulheres heterossexuais, 272 lésbicas e 358 bissexuais. A média de idade foi de 27 anos (heterossexuais), 25,5 anos (lésbicas) e 23 anos (bissexuais). As bissexuais são as que mais referiram lubrificação vaginal insatisfatória (23,5%) e que mais utilizaram lubrificantes durante a relação sexual (57,3%) (p<0,0001). As lésbicas (48,5%) são as que mais procuram a parceira para iniciar as relações, seguidas das bissexuais (46,4%) (p<0,0001). Quanto à satisfação sexual, as lésbicas, 68,4% estão satisfeitas com sua vida sexual (masturbação e conjugal), 11,5% apenas com a vida conjugal e 8,4% somente com masturbação; já para as bissexuais, 63,7% estão satisfeitas com sua vida sexual (masturbação e conjugal), 7,5% apenas com a vida conjugal e 14,8% somente com masturbação (p<0,0001). Sobre a satisfação quanto à frequência das relações sexuais, as lésbicas são as que apresentam maior satisfação (70,8%) (p<0,0001). As bissexuais são as que mais referiram já terem sentido algum desconforto durante a relação (78,5%) (p<0,0001). As lésbicas são as que mais fazem uso de vibradores (59,6%), seguidas das bissexuais (58,4); quando perguntadas sobre uso compartilhado com a parceira, 37,9% das lésbicas e 31,8% das bissexuais fazem higienização do vibrador e uso de preservativo.

CONCLUSÕES

O entendimento sobre o desejo sexual, a frequência das relações, o uso de brinquedos sexuais e sua correta higienização e a satisfação da paciente com relação a todas essas variáveis são necessárias para que o ginecologista oferte um atendimento que supra as necessidades e expectativas da paciente, respeitando as particularidades de sua orientação sexual.

PALAVRA CHAVE

Lésbicas; Bissexuais; Sexualidade; Satisfação pessoal

Área

GINECOLOGIA - Sexualidade

Autores

Kadija Rahal Chrisostomo, Najila De Marco Sandrin, Henrique Rahal Chrisostomo, Gislaine Paviani , Thelma Larocca Skare, Renato Mitsunori Nisihara

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo