59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

Gravidez em útero didelfo com rotura prematura de membranas ovulares: relato de caso

CONTEXTO

Trata-se do relato de um caso de gravidez associada à malformação mulleriana. A associação das duas condições acarreta risco para o desfecho gestacional, principalmente somada à ruptura prematura pré-termo das membranas ovulares. A partir disso, objetiva-se ampliar o conhecimento de médicos para manejo de casos com o mesmo histórico.

DESCRIÇÃO DO(S) CASO(S) ou da SÉRIE DE CASOS

Paciente de 22 anos, com útero didelfo, primigesta, idade gestacional de 26 semanas e 4 dias, refere dor pélvica intensa. Na ultrassonografia de 11 semanas, mostrou saco gestacional com embrião único somente em corpo uterino direito. Foi prescrito Progesterona Micronizada, 200 mcg/dia e repouso relativo. Ao exame físico, pressão arterial: 100x60 mmHg, fundo uterino medindo 26 cm, batimentos cardiofetais e movimentos fetais presentes, sem atividade uterina, tônus uterino normal. À inspeção vaginal: presença de septo vaginal. Ao toque vaginal: ambos colos uterinos fechados e sem perdas. Ao exame especular: secreção fluida, acinzentada, bolhosa com pouco odor à direita; sem alterações à esquerda. Foi prescrito Metronidazol (creme vaginal). A paciente foi internada com IG de 30 semanas e 3 dias, referindo perda de líquido amniótico, e trazendo ultrassonografia com laudo de oligodramnia (ILA: 4,5), apresentação cefálica, movimentos cardíacos e respiratórios fetais normais. Fez uso de betametasona, azitromicina em dose única, ampicilina por 48h, amoxicilina por cinco dias. Foram realizados hemograma e PCR com resultados normais e vigilância infecciosa clínica. Realizados também perfil biofísico semanal e programação da interrupção da gestação com 34 semanas, quando foi realizado o parto cesariano. A cirurgia foi realizada pela técnica de Pfannestiel, histerotomia segmentar transversa, extração de feto único em útero direito, nativivo, com boa vitalidade. A paciente teve alta após 3 dias em boas condições de saúde, bem como seu recém-nascido.

COMENTÁRIOS

O presente caso teve diagnóstico confirmado por ultrassonografia, o resultado foi um recém-nascido com boa vitalidade, apesar dos riscos de complicações. A paciente contou com acompanhamento obstétrico adequado e intervenção em momento oportuno. Buscou-se levar a gestação até o mais próximo possível do termo, porém, devido à ruptura das membranas ovulares, foi indicada a cesariana com 34 semanas. Conclui-se que o relato de caso é relevante, pois mostrou bom desfecho frente a uma gestação com alto risco, em função do cuidadoso acompanhamento pré-natal.

PALAVRA CHAVE

útero didelfo rotura prematura de membranas

Área

OBSTETRÍCIA - Gestação de Alto Risco

Autores

Ariele Angel Ferreira dos Santos, Núbia Fátima de Jesus Almeida, Mariana Batista Silva, Ana Carolina Rodrigues Pereira, Isa Clara Santos Lima, Clarissa Silva Sampaio

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo