59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

Função intestinal, função sexual e qualidade de vida de mulheres com endometriose profunda.

OBJETIVO

Comparar a função intestinal, qualidade de vida e função sexual de mulheres com endometriose profunda tratadas cirurgicamente com as tratadas clinicamente.

MÉTODOS

Estudo transversal, realizado com 148 mulheres com endometriose profunda acompanhadas num hospital terciário no período de maio de 2020 a abril de 2021. Foram incluídas mulheres com idade entre 18 e 40 anos e diagnóstico endometriose e excluídas mulheres com déficit cognitivo que impossibilitasse a compreensão dos instrumentos. As mulheres foram divididas em dois grupos de acordo com o tipo de tratamento: 51 mulheres com tratamento cirúrgico e 97 mulheres com tratamento clínico. O Endometriosis Health Profile Questionnaire (EHP-30), Índice de Função Sexual Feminina (FSFI), foram usados para avaliar a qualidade de vida e a função sexual, respectivamente. Para avaliar uma função intestinal foram usados os questionários de Escala de Bristol de Consistência de Fezes, The Bowel Function in the Community, the Gastrointestinal Quality of Life Index (GIQLI) e Pelvic Floor Distress Inventory (PFDI-20). Todas as mulheres assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido antes de participar do estudo.

RESULTADOS

A média etária das mulheres do grupo cirúrgico (37,98 ± 5,91anos) foi significativamente maior do que do grupo clínico (35,68 ± 5,45anos) (p = 0,006). O tempo de seguimento da mulheres foi de 37,49 ±29,46 meses no grupo cirúrgico e de 28,42 ±28,16 meses no grupo de tratamento clínico (p=0,09).Não houve diferença estatisticamente significativa entre os sintomas álgicos(p=0,905), ingestão hídrica(p=0.573) ou de fibra(p=0,173), atividade física(p=0,792) e índice de massa corpórea(p=0,407) em ambos os grupos, A função gastrointestinal esteve mais alterada em mulheres submetidas a tratamento cirúrgico comparadas com mulheres tratadas clinicamente (84,31% e 63,92%, respectivamente; p = 0,009). Não houve diferença entre a qualidade de vida e a função sexual em ambos os grupos.

CONCLUSÕES

O tratamento clínico e cirúrgico são escolhas importantes de tratamento para aquelas mulheres com sintomas disfuncionais. Ambas as alternativas melhoram a qualidade de vida. Apesar da cirurgia intestinal causar mais constipação, é uma alternativa de tratamento à falha de resposta a terapia clínica.

PALAVRA CHAVE

endometriose; qualidade de vida; função sexual; constipação, diarreia.

Área

GINECOLOGIA - Endometriose

Autores

Daniela Angerame Yela, Nara Abe Cairo Villa, Cristina Laguna Benetti-Pinto

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo