59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

Manejo conservador de tumor uterino de crescimento acelerado durante a gestação: um relato de caso

CONTEXTO

Gestações em idades avançadas, uma tendência progressiva nas últimas décadas, tem feito o ciclo gravídico coexistir com novos riscos e variáveis, como os tumores uterinos. Um exemplo são os leiomiomas que, apesar de benignos, possuem prevalência de até 10% no 2º trimestre de gestação e podem estar associados a maior ocorrência de abortos, prematuridade e descolamento prematuro de placenta, a depender da sua localização e dimensões.

DESCRIÇÃO DO(S) CASO(S) ou da SÉRIE DE CASOS

O caso relatado é de uma primigesta, 32 anos, previamente hígida, acompanhada em Pré-Natal de Alto Risco por diagnóstico de massa expansiva abdominopélvica às 12 semanas medindo 16,4x13,4x15,7cm à ultrassonografia (US). Em exames prévios, a tumoração não era observada. Novo US, às 20 semanas, mostrou aumento da maior dimensão da massa em mais de 50%. Diante da expressiva velocidade de crescimento, foi aventada a hipótese de degeneração sarcomatosa e, por esse motivo, realizada Ressonância Nuclear Magnética (RNM) de abdome e pelve às 27 semanas, que mostrou tumoração de 29,5x16,5x12,3cm, ocupando os espaços peritoneais do hemicorpo direito, sem limites de dissecção com o útero, predominantemente sólida, hipointensa, com áreas císticas internas e periféricas, não sendo possível a diferenciação entre leiomioma, com ou sem degeneração sarcomatosa, e tumor desmoide intra abdominal. CEA e CA 125 estavam normais. Considerando a ausência completa de repercussões fetais, contrariando todas as expectativas, e o excelente estado geral da gestante optou-se por aguardar o início do trabalho de parto espontâneo até 40 semanas. Diante de sua não ocorrência, foi optado por parto cesáreo. Dois meses após o parto, nova RNM mostrou manutenção da massa e de suas dimensões. Realizada, então, miomectomia com preservação uterina. A avaliação anatomopatológica mostrou células fusocelulares monomórficas, sugestivas de leiomioma uterino, sem atipias ou alterações histológicas relevantes à imunohistoquímica, permitindo o diagnóstico de leiomioma.

COMENTÁRIOS

Conclui-se que o diagnóstico de tumores uterinos durante a gestação, especialmente quando apresentam crescimento acelerado, obriga a equipe assistencial a considerar o diagnóstico de degeneração sarcomatosa e a realização de propedêutica complementar, sendo a RNM um bom método para esses casos. Por outro lado, a avaliação clínica da gestante e do feto devem ser critérios prioritários para a tomada de decisão no que tange a condução da gestação, em especial, em relação ao momento e à forma de interrupção da mesma.

PALAVRA CHAVE

"Massas uterinas"; "Gestação".

Área

OBSTETRÍCIA - Gestação de Alto Risco

Autores

Clara Nunes Castro, Giovanna Letícia Simões Lima, Suelen Peixoto Marinho de Deus, Jussara de Souza Mayrink, Pedro Corradi Sander, Camila Rios Bretas

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo