59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

EFEITO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL NO BINÔMIO MATERNO-FETAL EM PARTOS PREMATUROS EXTREMOS

OBJETIVO

A prematuridade é um grave problema de saúde pública sendo a principal causa de morbimortalidade neonatal e é caracterizada por partos que ocorrem antes das 37 semanas de gestação. Uma das causas de prematuridade é a presença de hipertensão na gestação, intercorrência clínica muito prevalente, que pode causar oligodramnio, restrição do crescimento, sofrimento e morte fetal e também materna. Dessa forma, o presente estudo tem como objetivo avaliar o efeito da hipertensão no binômio materno-fetal em partos abaixo de 33 semanas.

MÉTODOS

Estudo transversal realizado em um hospital de referência macrorregional em Passo Fundo, RS. Foram analisados prontuários de todas as mulheres com parto pré-termo abaixo de 33 semanas e seus respectivos recém-nascidos atendidos na instituição no ano de 2019, totalizando 124 mulheres. A análise estatística foi realizada utilizando-se o IBM SPSS Statistics versão 26 para Windows. As variáveis categóricas foram expressas como frequência absoluta e relativa e as numéricas como média ± desvio padrão. As associações entre variáveis numéricas foram avaliadas utilizando-se coeficiente de correlação linear de Pearson. As associações entre variáveis numéricas e categóricas foram avaliadas utilizando-se análise de variância com um critério de classificação. Considerou-se como estatisticamente significativo valor de probabilidade < 0,05.

RESULTADOS

Dos 141 binômios materno-fetais incluídos no estudo (devido às gestações gemelares), a prevalência de hipertensão foi de 25,8%, já para restrição do crescimento uterino e oligodrâmio foi de 37,1% e 13,7%, respectivamente. Não houve nenhuma morte materna e apenas dois óbitos neonatais (2%). Não se observou associação estatisticamente significativa entre hipertensão e oligodrâmnio. Observou-se que a proporção de fetos com restrição do crescimento intrauterino foi significativamente maior entre as mães com hipertensão do que aqueles sem a doença.

CONCLUSÕES

Apesar do oligodramnio estar associado com a hipertensão, o presente estudo não encontrou associação entre essas duas variáveis. Em contrapartida, a associação entre crescimento intrauterino restrito e hipertensão encontrada neste estudo corrobora outros dados de literatura que demonstram forte associação entre estas complicações.

PALAVRA CHAVE

Hipertensão na gestação

Área

OBSTETRÍCIA - Obstetrícia Geral

Autores

Ana Paula Romanzini, Aline Balla , Betania Telles De Oliveira, Natalia Bendler Chinazzo, Alexandre Tognon, Wania Ebert Cechin, Giovana Bonfantti Donato

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo