59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

MALÁRIA GRAVE EM GESTANTE ATENDIDA EM UM HOSPITAL DE ALTO RISCO DA REGIÃO AMAZÔNICA: RELATO DE CASO

CONTEXTO

No Brasil, a quase totalidade dos casos de malária ocorre na Amazônia Legal, onde permanecem condições ecologicamente propícias à transmissão. As mulheres grávidas são particularmente vulneráveis à malária. Isso ocorre porque a gravidez altera o estado de imunidade, tornando a mulher mais suscetível à infecção malárica e aumentando o risco de formas complicadas da doença e óbito materno.

DESCRIÇÃO DO(S) CASO(S) ou da SÉRIE DE CASOS

APML, 24 anos, 36s6d, G2PC1A0, compareceu para atendimento no centro obstétrico em 02/05/21 referindo febre há vários dias, relata que o esposo estava fazendo tratamento para malária vivax. Exame físico na admissão, temperatura : 38.5 , pressão arterial: 110/70 mmHg, altura uterina: 33 cm, batimentos cardíacos fetal: 142. Solicitado exame de pesquisa de plasmodium: ++/4+ plasmodium vivax e plaquetopenia: 51.000 . A paciente foi internada iniciado tratamento com cloroquina 150mg, esquema 4/3/3 comprimidos. Ultrassom obstétrico: normohidramnio (ILA 25mm) e resistência vascular placentária normal (IP 0.57). Em 03/05/21 evoluiu com plaquetopenia grave de 14.000 , sendo realizado transfusão de 06 UI de concentrado de plaquetas, após transfusão elevação das plaquetas em 41.000, Ultrassom obstétrico evolutivo da mesma data com oligohidrâmnio (ILA 18 mm) e resistência vascular placentária aumentada ( IP 0.71 ) Ultrassom de abdome com esplenomegalia. Realizado parto cesariano em 04/05/21, durante o procedimento foram transfundidas 06UI de plaquetas. Recém-nascido vivo, hipotônico . Paciente foi transferida para leito de semi - intensiva, precisou de transfusão de 06UI de concentrado de plaquetas e 02UI de hemácias, devido a plaqueta de 16.000 e hemoglobina de 6,6 . Hemograma pós-transfusional (05/03/21): plaquetas: 45.000, hemoglobina: 7.4. Puérpera evoluiu satisfatoriamente com melhora clínica e laboratorial, sendo transferida para leito de enfermaria e posteriormente alta hospitalar. Recém-nascido não apresentou complicações.

COMENTÁRIOS

A infecção por malária continua sendo relevante fator de morbidade entre as grávidas e tem efeitos sobre a saúde da mulher e do recém-nascido. O diagnóstico e o tratamento precoce da malária reduzem as complicações materno-fetal, evitando morte materna e danos ao neonato. Portanto, pode-se considerar que todas as gestantes devem ser alvo das ações de prevenção e controle da malária.

PALAVRA CHAVE

Malária grave ; gravidez; plaquetopenia grave , anemia severa , esplenomegalia, plasmodium vivax;oligohidrâmnio

Área

OBSTETRÍCIA - Doenças Infecciosas

Autores

YURAMIS MONTIEL ESPINOSA, MARIA DA CONCEIÇÃO RIBEIRO SIMÕES, ATINELLE TELES NOVAIS LEMOS, ELTON LEMOS SILVA

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo