59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

EPIDEMIOLOGIA DA MORTALIDADE MATERNA NO ESTADO DO ACRE, ENTRE 2009 A 2018

OBJETIVO

Caracterizar a epidemiologia dos óbitos maternos no Estado do Acre, no período entre 2009 a 2018.

MÉTODOS

Trata-se de uma série temporal, a partir de dados secundários, obtidos no Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) e no Sistema de Nascidos Vivos (SINASC) do DATASUS.

RESULTADOS

Neste período obteve-se 82 óbitos, sendo 69 por causas diretas, e 13 por indireta. No presente estudo foram identificados RMM de 41,1 no período de 2009 a 2018, estando acima da meta estipulada no quinto objetivo do milênio (RMM de 35). Dos óbitos maternos a faixa etária estava entre 20 e 29 anos, com 30 (43,48%) notificações. Em relação à etnia e ao estado civil, as mulheres pardas representaram 39 (56,52%) e as solteiras 29 (42,03%) dos óbitos maternos registrados. No que tange à educação, das mulheres que foram a óbito, 17 possuíam de 4 a 7 anos (ensino fundamental incompleto). O local de ocorrência mais prevalente foi o hospital, com 62 (89,96%).

CONCLUSÕES

As taxas de óbitos maternas oscilam de forma geral no estado do Acre. A taxa de mortalidade permanece alta, quando comparado em países desenvolvidos. Logo, deve-se investir em mais políticas de saúde pública e social da mulher e com isso reduzir os óbitos, no qual a maioria são por causas evitáveis.

PALAVRA CHAVE

Mortalidade materna; Epidemiologia; Acre

Área

OBSTETRÍCIA - Epidemiologia

Autores

Maria Pamela Ribeiro, Elaine Azevedo Soares Leal

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo