59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

Gestação ectópica na cicatriz de cesárea: um desafio no diagnóstico e tratamento.

CONTEXTO

A gestação ectópica (GE) é a implantação do embrião fora da cavidade uterina, sendo as tubas uterinas o local de maior ocorrência. Atinge de 1 a 2% da população, mas a prevalência pode chegar a 5% em casos de reprodução assistida. Essa gestação é a principal fonte de morbimortalidade no primeiro trimestre da gravidez, e no contexto da Covid-19, torna-se mais relevante pelo aumento da incidência de gravidez ectópica rota observado durante a pandemia. Por isso, fica evidente a importância da elaboração deste relato.

DESCRIÇÃO DO(S) CASO(S) ou da SÉRIE DE CASOS

Paciente de 29 anos, G4PC2A1, idade gestacional (IG) de 10 semanas e 3 dias no primeiro ultrassom. Admitida no hospital devido à ultrassonografia transvaginal indicando GE em cicatriz de cesárea; estava assintomática, hemodinamicamente estável, sem sangramento vaginal; negava comorbidades prévias e uso de medicações contínuas. Durante a internação foram solicitados novos exames para confirmar local de implantação embrionária. A ultrassonografia transvaginal mostrou útero em anteversoflexão, contendo saco gestacional (SG) implantado na topografia da cicatriz de cesariana, de formato regular, vesícula vitelínica normal, com embrião único, batimentos cardio embrionários presentes, comprimento cabeça nádega 37 mm, IG de 10 semanas e 4 dias; havia afilamento miometrial entre margem coriônica e camada subserosa do útero. Exames laboratoriais normais e valor do βHCG de 95611,00 mUI/ml. Realizou-se ressonância magnética e observou-se útero de contorno irregular, com SG implantado na transição istmo cervical, ao nível da cicatriz de cesariana prévia, sem parede miometrial anterior ao SG. A paciente foi submetida à laparotomia exploradora, não foi possível preservação uterina, sendo realizada uma histerectomia subtotal; evoluiu sem intercorrências no pós-operatório, com alta hospitalar 5 dias após cirurgia.

COMENTÁRIOS

A gravidez na cicatriz de cesariana é um tipo raro de GE. Sua incidência é de 0,05% e cresce paralelamente ao número de cesáreas feitas pelo mundo. Todavia, essa gestação possui prognóstico ruim; a maioria tem severas complicações, sendo a ruptura e a hemorragia volumosa as mais comuns. Se diagnosticada precocemente, pode haver sucesso com tratamento conservador. À medida que o diagnóstico é retardado, aumentam complicações e chances de evoluir para histerectomia, o que compromete o futuro reprodutivo e coloca em risco a paciente.

PALAVRA CHAVE

Gestação ectópica; Cesárea; Cicatriz

Área

OBSTETRÍCIA - Gestação de Alto Risco

Autores

Silviani Branger Paranhos, Gabriel Mael Sussuarana Silva Lobo, Rafaella Rabelo Silva, Mariany Soares Ferreira, Beatriz Portela Castro, Matheus de Oliveira Loiola, Gabriel de Oliveira Bianchi

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo