59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

Adenocarcinoma invasivo de colo de útero HPV independente: um relato de caso

CONTEXTO

No câncer de colo do útero (CCU), 99,7% dos casos estão relacionados com infecção prévia por HPV, enquanto em 0,3% onde não se detecta o vírus não se sabe ao certo a fisiopatologia que origina o câncer. Os subtipos mais frequentes são o Carcinoma de Células Escamosas (73%) e o Adenocarcinoma (25%). A literatura demonstra que os fatores de risco para os casos HPV induzidos e HPV independentes são semelhantes.

DESCRIÇÃO DO(S) CASO(S) ou da SÉRIE DE CASOS

CPR, feminino, 43 anos, menarca aos 14 anos, G2P2C2A0, sexarca aos 18 anos, 5 parceiros, mesmo parceiro há 20 anos, nega ISTs, fez uso de ACO por mais de 5 anos, suspenso há 4 anos, colpocitologias regulares e normais. Assintomática. Nega comorbidades, fumo e antecedentes familiares de neoplasias. Apresentou citologia com achado de adenocarcinoma com suspeita de invasão. A colposcopia revelou alterações sugestivas de lesão intra epitelial em colo e vagina, com área endocervical indefinida por espessamento e vascularização. Foram realizadas biópsias de colo, endereçando canal cervical, com resultado de Adenocarcinoma in situ (AIS) HPV independente, sem evidenciar invasão. Solicitado estudo imunohistoquímico e captura híbrida que confirmaram AIS HPV independente. Realizada conização diagnóstica e terapêutica por CAF, evidenciando Adenocarcinoma invasivo de foco único de 0,1mm em endocérvice e AIS em ectocérvice, 3 margens livres. Definido estadiamento Ia1 e após decisão conjunta com a paciente realizada histerectomia total simples sem evidência de comprometimento extra cervical, aguardando anatomopatológico definitivo.

COMENTÁRIOS

O caso apresenta grande relevância devido a sua raríssima incidência e a frequente falha diagnóstica dos Adenocarcinomas de colo pelos métodos de rastreio atuais. Ainda que, virtualmente, os casos de CCU sejam relacionados diretamente ao HPV, existem casos em que o vírus não é detectado. Nesses cabe-se a dúvida se o achado de HPV negativo é devido a uma limitação diagnóstica ou a se tratarem de um subconjunto distinto de tumores ou mesmo se são resultantes de mutações inicialmente geradas por HPV, mas não mais detectáveis. Ademais, é reportada uma maior agressividade em cânceres HPV-negativos, com diagnósticos em mulheres mais velhas e com estágios de doença mais avançados, não vistos no caso relatado. Portanto, são importantes os questionamentos se esses casos seriam identificados em um rastreio unicamente baseado na detecção de HPV e se essas neoplasias podem continuar a ser conduzidos da mesma forma que os relacionados ao vírus.

PALAVRA CHAVE

Adenocarcinoma cervical; HPV; HPV independente; Câncer de Colo de Útero.

Área

GINECOLOGIA - Oncologia Ginecológica

Autores

Henrique Metzker Ferro, Andre Metzker Ferro, Alice Reis Romano Villa Verde, Ana Clara Ramalho Gomes, Diogo Moraes Lins de Carvalho, Jessica Dornelles Baz, Marcos Emanuel de Alcântara Segura, Adalberto Xavier Ferro Filho

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo