59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

Métodos diagnósticos no pré natal: Um relato da importância da ultrassonografia morfológica

CONTEXTO

A assistência pré-natal de qualidade é um componente essencial na atenção à saúde das mulheres no período gravídico-puerperal, estando associada a melhores desfechos perinatais. Dentre os inúmeros exames que devem ser solicitados nesse período, a Organização Mundial da Saúde preconiza a realização de, no mínimo, três ultrassonografias durante a gestação, uma em cada trimestre. Com grande importância para o planejamento obstétrico e de procedimentos terapêuticos, existe a ultrassonografia morfológica, devendo ser realizada entre 20 e 24 semanas. Apresentamos um caso de uma paciente com uma assistência pré natal inadequada, com um feto, que evoluiu a óbito, devido a um dos tumores mais raros do período neonatal, o teratoma orofaríngeo

DESCRIÇÃO DO(S) CASO(S) ou da SÉRIE DE CASOS

Mulher, 25 anos, branca, solteira, G4P3, 29 semanas de idade gestacional, 4 consultas de pré natal, iniciado já no terceiro mês. Histórico de dependência química de crack e álcool. Em sua primeira ultrassonografia, não apresentou alterações. Evoluiu com trabalho de parto prematuro na vigésima nona semana com dilatação de colo uterino de 4 cm observada ao toque vaginal, sendo optada por via cesariana. O recém nascido, do sexo feminino, nasceu com 1.580 gramas e com massa orofaríngea evidente. Durante a assistência inicial neonatal foi necessário suporte ventilatório, sendo realizada intubação orotraqueal, com necessidade de internamento em unidade de terapia intensiva. O recém-nascido evoluiu com necessidade de droga vasoativa, acidose metabólica e óbito após poucas.

COMENTÁRIOS

Os teratomas são tumores benignos, sendo os orofaríngeos o tipo mais raro, compreendendo apenas 2% dos teratomas fetais. O diagnóstico deve ser realizado no pré-natal, com auxílio da ultrassonografia morfológica, entre a 15ª e 29ª semana, visto que é a partir da 15ª semana que essa neoplasia se desenvolve. A paciente em questão realizou apenas uma ultrassonografia, sendo o método simples e não a morfológica. Tendo em vista o contexto social da paciente em questão, é notória a necessidade de exames de imagem a fim de diagnosticar possíveis malformações fetais. Assim, a má adesão associada a uma assistência pré-natal inadequada foram fatores que corroboraram com um desfecho negativo. Portanto, o uso de métodos diagnósticos como a ultrassonografia morfológica são essenciais para a redução da morbimortalidade materna infantil.

PALAVRA CHAVE

Ultrassonografia morfológica; Teratoma orofaríngeo; Pré natal

Área

OBSTETRÍCIA - Obstetrícia Geral

Autores

Brendha Zancanela SANTOS, Giulia Cioffi Nascimento, Gabriella Marques Monteiro, Ana Carolina Drehmer Santos, Natália Tonn, Carolina Menezes Nunes, Ana Elisa Hartmann, Rita de Cássia Fossati Silveira Evaldt

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo