59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA MORTALIDADE POR CÂNCER DE OVÁRIO NO BRASIL ENTRE 2000 E 2019

OBJETIVO

Compreender a evolução da mortalidade e do número de óbitos por neoplasia maligna do ovário atestados no Brasil entre os anos de 2000 e 2019.

MÉTODOS

Estudo epidemiológico quantitativo de corte transversal, executado no Brasil entre 2000 e 2019, sobre o número de mortes decorrentes de câncer de ovário em mulheres com idade entre 30 e 69 anos. Os dados utilizados foram extraídos do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS).

RESULTADOS

No período investigado, foram registrados 37.926 mortes por neoplasia maligna de ovário no Brasil. O aumento da taxa de mortalidade a cada 100 mil mulheres foi de 60,40% entre 2000 (1,49) e 2019 (2,39). Já o número de óbitos no Brasil no ano de 2019 (2.550 mortes) foi 96,61% maior que o documentado em 2000 (1.297 mortes). Na distribuição por faixas etárias, observou-se maior prevalência de mortes entre os 60 a 69 anos: 14.687 (38,72%); seguida dos 50 a 59 anos: 13.077 (34,49%); 40 a 49 anos: 7.535 (19,87%) e 30 a 39 anos: 2.627 (6,92%). Ao se avaliar os óbitos por raça/cor, comprovou-se que as mulheres brancas (59,56%) foram as mais afetadas. Na pesquisa por regiões com mais óbitos, constatou-se que a região Sudeste foi responsável por 50,38% do total de óbitos no período analisado.

CONCLUSÕES

Conclui-se que o número de mortes por câncer de ovário em um período de 20 anos praticamente dobrou no Brasil. Neste estudo, houve uma maior prevalência de óbitos por neoplasia maligna do ovário em mulheres brancas com idade acima dos 40 anos.

PALAVRA CHAVE

Neoplasia de ovário; câncer de ovário; Mortalidade

Área

GINECOLOGIA - Epidemiologia

Autores

Filipe Alves Ramos , Parizza Ramos De Leu Sampaio

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo