59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

Indução do trabalho de parto em paciente com COVID-19 sob sedação e ventilação mecânica: relato de caso

CONTEXTO

As alterações fisiológicas ocorridas durante a gestação predispõem complicações respiratórias por infecção viral, tornando as pacientes mais susceptíveis a infecções severas. Neste período, o Covid-19 vem sendo responsável por complicações como necessidade de intubação orotraqueal, internação em unidade de terapia intensiva, falência renal e óbito, que tornam-se ainda maiores quando as pacientes apresentam comorbidades associadas.

DESCRIÇÃO DO(S) CASO(S) ou da SÉRIE DE CASOS

S.C.C., 23 anos, G2PN1, internada em unidade de terapia intensiva com diagnóstico de síndrome respiratória aguda grave por Covid-19, com 35 semanas e 2 dias de idade gestacional em décimo quarto dia de doença, apresentando dispneia. Evoluiu com necessidade de intubação orotraqueal, otimização de sedoanalgesia para melhor acoplamento à ventilação mecânica e pronação. Tendo em vista o cenário materno, sua estabilidade hemodinânimca e o colo uterino favorável, foi indicada indução do trabalho de parto com misoprostol 25 microgramas, com posterior infusão de ocitocina e amniotomia. Administrado corticóide para maturação pulmonar fetal seguindo protocolo para feto prematuro tardio antes de início da indução. Parto vaginal após 18 horas, com recém-nascido de sexo masculino, apgar 3/4/6, que necessitou de reanimação e intubação orotraqueal. Paciente evoluiu com desmame de sedação, sendo extubada no oitavo dia do puerpério, permanecendo em reabilitação motora e fonoaudiológica até sua alta, três semanas após o parto, juntamente com o neonato.

COMENTÁRIOS

Em um contexto de pandemia, reduzir o número de óbitos maternos e efeitos adversos associados à infecção por coronavírus tem sido um grande desafio para os médicos, tornando fundamental o acompanhamento destas pacientes por equipe multidisciplinar a fim de individualizar cada caso, para que se possa definir a conduta mais apropriada. Estudos têm demonstrado que a infecção pelo Covid-19 não representa uma indicação isolada para antecipação do parto. Cada caso deve ser avaliado cuidadosamente com definição do momento e a via de parto levando em consideração o estado clínico da paciente, a idade gestacional, paridade, condição fetal e o tempo disponível até o parto. A cesariana pode ser responsável por piores desfechos maternos, devido ao estresse fisiológico causado pela cirurgia, devendo ser também avaliado este risco, no momento da escolha da via de parto.

PALAVRA CHAVE

Covid19. Indução de parto. Parto vaginal. Gestação de alto risco. Parto sob ventilação mecânica.

Área

OBSTETRÍCIA - Doenças Infecciosas

Autores

Maria Clara Araújo Marques, Annita Martins Rocha Torres, Isabella Vilhena Cerviño, Giulia de Souza Bianco, Rachel Horowicz Machlach, Carolina Carvalho Mocarzel, Patrícia Pontes Frankel, Wallace Mendes da SIlva

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo