59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

Glioblastoma durante a Gestação

CONTEXTO

O glioblastoma (GBM) é o tumor cerebral primário maligno mais comum em adultos e possui maior prevalência na 6ª década de vida. É histologicamente caracterizado pela alta celularidade e atividade mitótica, proliferação vascular e necrose e sua evolução clínica é incerta e associa sintomas neurológicos como déficit focal, alteração de memória, fraqueza, cefaleia, alteração de linguagem e cognitiva. A prevalência de tumores cerebrais na gestação é um evento raro. A escassez literária sobre esses casos não permite que haja evidências suficientes para definição do manejo ideal . O tratamento cirúrgico associado à quimioterapia (QT) e à radioterapia (RT) adjuvantes são determinantes no prognóstico. No entanto, os quimioterápicos têm a capacidade de atravessar a barreira placentária, podendo causar óbito fetal, ou teratogenicidade, especialmente no primeiro trimestre.

DESCRIÇÃO DO(S) CASO(S) ou da SÉRIE DE CASOS

Trata-se de gestante, 34 anos, G3P2, com a gestação de 1º timestre em curso. Apresentou rebaixamento neurológico, necessitando de ventilação mecânica. Em Tomografia Computadorizada de crânio notou-se extensa lesão expansiva sólido-cística com sinais de hipertensão intracraniana, cuja principal hipótese foi lesão glial de alto grau. Realizada craniectomia descompressiva, associada à ressecção de lesão expansiva temporal esquerda, com importante melhora neurológica. O diagnóstico anatomopatológico foi GMB - grau IV. Optou-se por não realizar terapia adjuvante com QT ou RT devido riscos ao concepto. Um mês após a alta médica, a paciente apresentou indícios de recidiva tumoral, quando foi indicada nova abordagem cirúrgica associada à QT e à RT. Realizada ecografia obstétrica que evidenciou feto vivo de 24 semanas, relação cérebro placentária alterada e crescimento intrauterino restrito (CIUR) estágio III. A interrupção gestacional foi indicada pela equipe multidisciplinar considerando as condições fetais de CIUR e a gravidade materna. O parto cesariano ocorreu após a corticoterapia e sulfato de magnésio para a maturação pulmonar e neuroproteção fetal. Feto nasceu com APGAR 9/9 e 495g. Três dias após o parto, foi submetida à ressecção do GBM temporal esquerdo à cranioplastia, seguida de QT e RT. Apresentou recuperação favorável após os procedimentos.

COMENTÁRIOS

O discernimento do momento ideal de interrupção da gestação, via de parto e tratamento tumoral devem ser personalizados e a discussão multidisciplinar (oncologia, neurocirurgia, radiologia, neonatologia e obstetrícia) foi fundamental no desfecho do caso.

PALAVRA CHAVE

Glioblastoma; Gestação; Quimioterapia; Radioterapia

Área

OBSTETRÍCIA - Gestação de Alto Risco

Autores

Leonardo Ayres Coelho, Ellen Tieko Tsugami Dalla Costa, Bruna Morena Messias de Lima Dias, Paula Faria Campos, Caroline Medina Calvão Caser, Carolina Genaro Pultrin

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo