59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

A posição verticalizada para o parto vaginal se associa a melhores resultados perinatais?

OBJETIVO

Avaliar a relação entre posição de parto vaginal (horizontal ou vertical) e resultados perinatais.


INTRODUÇÃO: A posição verticalizada para o parto vaginal reduz em 35% a força despendida pela parturiente se comparada a necessita na posição horizontal. Além disso, reduz o risco de compressão aorto-cava e, consequentemente melhora a oxigenação fetal no segundo período do trabalho de parto (período expulsivo). A verticalização parece oferecer maior conforto às pacientes e uma maior interação entre mãe e filho.

MÉTODOS

Foi feita uma análise retrospectiva de coorte em base de dados secundários, em maternidade de hospital universitário. Foram consideradas os partos vaginais ocorridos de 2013 a 2019 na Maternidade de um hospital público universitário. Os neonatos foram classificados quanto à idade gestacional (IG), peso, peso < 2500 gramas e APGAR < 7 no 5° minuto. Para investigar a associação entre posição de parto vaginal e resultados neonatais, foi empregado o teste qui-quadrado de Pearson ou teste exato de Fisher, comparando-se variáveis categóricas. Foi utilizado o programa de estatística Minitab versão 20.0.

RESULTADOS

De 2013 a 2019, ocorreram 8556 partos vaginais, sendo uma média de 1426 por ano. Desses partos, a idade gestacional foi inferior a 37 semanas em 17,3% dos partos (1480 partos). A posição de parto foi vertical em 4637 pacientes (53,4%). A média de peso do recém-nascido foi 2998 gramas (±568), sendo que 1685 (19,8%) apresentaram baixo peso ao nascer (peso < 2500 gramas). Quanto ao APGAR de 5° minuto, foi inferior a 7 em 3,7% (317 recém-nascidos). Não houve diferença no APGAR 5° minuto < 7 e nem na ocorrência do baixo peso e prematuridade em relação à posição de parto (p = 0,6; p = 0,2 e p = 0,5, respectivamente).

CONCLUSÕES

A frequência de ocorrência de APGAR de 5° minuto menor que 7 não foi estatisticamente diferente, considerando a posição em que o parto ocorreu. A incidência de baixo peso e de prematuridade eram semelhantes no grupo de parto vaginal em posição vertical e na posição horizontal. Não houve diferença nos resultados perinatais em função da posição de parto no grupo de pacientes estudado.

PALAVRA CHAVE

POSIÇÃO DE PARTO VAGINAL, RESULTADOS PERINATAIS

Área

OBSTETRÍCIA - Obstetrícia Geral

Autores

EURA MARTINS LAGE, ZILMA SILLVEIRA NOGUEIRA REIS, JULIANO DE SOUZA GASPAR, PATRICIA GONÇALVES TEIXEIRA, CAIO RIBEIRO VIEIRA LEAL, FERNANDO MACEDO BASTOS

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo