59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

LINFOMA ASSOCIADO A PRÓTESE MAMÁRIA: RELATO DE CASO

CONTEXTO

Os implantes mamários são amplamente utilizados como um acessório estético, ou em pacientes oncológicos submetidos a cirurgias de reconstrução mamária. O uso de próteses texturizadas aumenta o risco do desenvolvimento de linfoma anaplásico de grandes células associado a implantes mamários (BIA-ALCL). A doença é extremamente rara e vem sendo estudada principalmente pelo aumento de pacientes que se submetem a esse procedimento. O objetivo desse trabalho é apresentar duas pacientes com o diagnóstico de BIA-ALCL.

DESCRIÇÃO DO(S) CASO(S) ou da SÉRIE DE CASOS

Paciente 1:
Feminino, 50 anos, busca serviço de cirurgia plástica devido lesão nodular de mama direita. Foi feita a exérese do nódulo para avaliação anatomopatológica, bem como das próteses mamárias bilaterais. A análise microscópica da prótese mamária direita não mostrou alterações significativas e o nódulo se tratava de um linfonodo intramamário. A prótese mamária esquerda apresentava parede de cápsula periprotésica com células atípicas na superfície, hialinização mural e inflamação crônica moderada. Estudo imunoistoquímico para complementação diagnóstica foi realizado, demonstrando positividade forte para CD30 e negatividade para a proteína ALK nas células atípicas, compatível com BIA-ALCL.
Paciente 2:
Feminino, 58 anos, submetida a retirada de próteses mamárias bilaterais. As peças foram encaminhadas ao laboratório de anatomia patológica. A microscopia da prótese mamária esquerda evidenciou infiltração de células atípicas, associadas a processo inflamatório crônico causado pelo implante. O estudo imunoistoquímico demonstrou que as células atípicas eram CD30 positivas e ALK negativas, compatível com infiltração por BIA-ALCL. A análise microscópica da prótese mamária direita não mostrou alterações significativas.

COMENTÁRIOS

Não há consenso sobre a incidência de BIA-ALCL. O tempo médio entre implantação e o diagnóstico do linfoma é de aproximadamente sete a dez anos, ocorrendo principalmente em pacientes a partir da quinta década de vida, como visto nas pacientes deste trabalho. A fisiopatogênese ainda não foi plenamente estabelecida. Pacientes com implantes com duração de um ano que apresentem alterações mamárias devem ser investigadas para linfoma anaplásico de grandes células associado a implantes mamários. Apesar de raro e do excelente prognóstico, faz-se necessário investir em pesquisas a fim de minimizar os danos e os custos em saúde relacionados a doença, preservando a integridade e biossegurança dos pacientes que se beneficiam de próteses mamárias.

PALAVRA CHAVE

Implante Mamário

Área

GINECOLOGIA - Mastologia

Autores

Rafaela Simões Lourenço Correia, Fernanda Batista Crema, Ighor Ramon Pallu, Sofia Souza Boscoli, Melyssa Grignet Ribeiro, Eduardo Castro de Morais

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo