59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

Edema Agudo Pulmonar na gestação: um relato de caso

CONTEXTO

O edema agudo pulmonar (EAP) é uma síndrome grave decorrente do preenchimento alveolar por líquidos. As gestantes podem, fisiologicamente, desenvolver essa patologia, tendo em vista as modificações gravídicas: aumento do volume plasmático e redução da pressão coloidosmótica materna. A literatura associa o uso de tocolíticos e corticoesteroides à maior ocorrência de EAP em gestantes. Apresentamos um caso de uma paciente com hipertireoidismo diagnosticado durante a gestação, que evoluiu com EAP.

DESCRIÇÃO DO(S) CASO(S) ou da SÉRIE DE CASOS

Gestante, 21 anos, em sua 3ª gestação, 2 partos prévios, 2 consultas de pré-natal, usuária de cocaína, apresenta-se à maternidade com 30 semanas e 6 dias com um quadro de Trabalho de Parto Prematuro (TPP). Iniciado tratamento com nifedipino, profilaxia para ESB e corticosteróide, evoluiu no 3º dia de internação para parto normal sem episiotomia. Nasceu neonato feminino, pesando 1552 kg, Apgar 8/9, encaminhado para UTI neonatal. No puerpério imediato, a paciente cursou com dispneia, tosse, hipertermia, sudorese, palidez e taquicardia, necessitando de ventilação por máscara. À tomografia computadorizada, evidenciou-se derrame pleural bilateral e focos com atenuação em vidro fosco na medular de ambos os pulmões, compatíveis com o diagnóstico de EAP. Os exames laboratoriais demonstraram quadro de tireotoxicose. A puérpera recebeu manejo em UTI, seguido de regime de enfermaria, evoluiu bem e teve alta com cuidado programado em atenção básica.

COMENTÁRIOS

O uso de tocolíticos está diretamente associado com a ocorrência de EAP, porém, independentemente, nifedipino e sulfato de magnésio apresentam maiores riscos. O TPP é reconhecido como um fator de risco isolado para EAP, assim como o uso de corticosteróide antenatal. Nesse cenário, o hipertireoidismo descompensado pode atuar como uma condição contribuinte. Ademais, sabe-se que o edema pulmonar gera maior necessidade de cuidados em UTI neonatal. O uso de cocaína é associado a ocorrência de prematuridade, mas não de EAP. Ainda, a tireotoxicose, pode ser um fator de mau prognóstico, visto que níveis normais de hormônios da tireoide são essenciais para mudanças estruturais no cérebro fetal e aumenta o número de resultados perinatais adversos. Logo, o presente relato corrobora com os dados da literatura, evidenciando a importância de mais estudos científicos sobre o tema em vista da morbimortalidade que circunda o EAP na gestação.

PALAVRA CHAVE

Edema Agudo Pulmonar

Área

OBSTETRÍCIA - Obstetrícia Geral

Autores

Gabriella Marques Monteiro, Brendha Zancanela Santos, Carolina Menezes Nunes, Ana Carolina Drehmer Santos, Natália Tonn, Ana Elisa Hartmann, Rita de Cássia Fossati Silveira Evaldt, Bruna Huppes

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo