59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

Análise do uso de suplementos e fármacos em gestantes de alto e baixo risco

OBJETIVO

Descrever e analisar os suplementos alimentares e fármacos em gestações de risco habitual e alto risco, cujos partos ocorreram em hospital terciário.

MÉTODOS

Estudo transversal incluindo 4.341 parturientes atendidas em hospital referência regional para alto risco, entre de janeiro de 2017 a junho de 2018 (período 1) e janeiro de 2020 a janeiro de 2021 (período 2). Os dados foram obtidos através de entrevistas e/ou análise de prontuários eletrônicos. Foi realizada análise descritiva das variáveis e associação verificada pelo teste qui-quadrado, com nível de significância 5% (p valor <0,05).

RESULTADOS

No período 1 (n=3.156), 87,1% das gestantes utilizaram suplementos (sulfato ferroso ou ácido fólico) e 39,6% fármacos. No período 2 (n=1.185), 83,3% utilizaram suplementos, enquanto 51,2% utilizaram fármacos. O fármaco mais utilizado em ambos os períodos foi a metildopa (12,2% no 1° e 21% no 2° período). Entre as gestantes hipertensas, 57,3% utilizaram fármacos no período 1 e 67% no período 2. Nestas pacientes, os anti-hipertensivos utilizados foram: no 1º período metildopa (37,7%), hidralazina (7%) e nifedipina (1,6%). Já no 2º período foram: metildopa (45,7%), hidralazina (3,6%) e nifedipina 5,9%. Entre as gestantes diabéticas, 59,2% fizeram uso de fármacos no período 1 e 71,2% no período 2. Destas, 8,9% usaram metformina, 28,6% insulina (qualquer tipo) no 1º período, enquanto 26,5% fizeram uso de metformina e 5,3% usaram insulina (qualquer tipo) no 2º período. Houve um aumento do uso de nifedipina entre as hipertensas e de metformina entre as diabéticas no período 2, associado à redução da insulina (p<0,0001).

CONCLUSÕES

Assim, percebe-se que houve maior uso de fármacos no período 2, comparado ao período 1. Isto se justifica pelo perfil da população atendida no serviço, que no período 1 compreendeu maior atendimento de pacientes de risco habitual, e no período 2 preferentemente a demanda de maior risco. Por outro lado, a pandemia de COVID-19 no período 2 pode ter influenciado nas mudanças de perfil das pacientes atendidas. As gestantes que mais frequentemente utilizaram fármacos foram as hipertensas e as diabéticas. No grupo das diabéticas, houve aumento do uso de metformina em comparação à insulina, a partir de mudanças do protocolo da instituição, instituído em 2019. Com relação às gestantes hipertensas, houve aumento no uso de nifedipina e uma diminuição de hidralazina, também secundária às mudanças de protocolo na instituição.

PALAVRA CHAVE

Farmacologia Clínica
Gravidez de Alto Risco
Complementos Alimentares para Gestantes
Epidemiologia

Área

OBSTETRÍCIA - Obstetrícia Geral

Autores

Carolina Ponte Lauda, Eduarda Kahl Kunkel, Aline Abud Gomes, Leonardo Hoehne do Valle, Gustavo Kolling Konopka, André Luiz Loeser Corazza, Cristine Kolling Konopka

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo