59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

Importância da ecografia pélvica via transperineal na avaliação de hematocolpo: Relato de caso

CONTEXTO

Hematocolpo é o acúmulo obstrutivo de sangue na cavidade vaginal. Pode ser causado por hímen imperfurado, septo vaginal ou atresia vaginal. Manifesta-se por dor pélvica cíclica em meninas com ausência de menarca. A complexidade da cirurgia depende da etiologia, sendo assim, é fundamental o diagnóstico diferencial detalhado entre as causas previamente ao procedimento.

DESCRIÇÃO DO(S) CASO(S) ou da SÉRIE DE CASOS

M.B.G, sexo feminino, 9 anos e 10 meses, diagnóstico de agenesia renal unilateral, sem outras comorbidades. Iniciou há 6 meses com dor pélvica cíclica em cólicas. Ao exame físico, M5P5, hímen aparentemente imperfurado, sem abaulamento ou coleção hemática translúcida. Ecografia pélvica transabdominal revelou volumosa coleção com conteúdo heterogêneo, medindo 13,0 x 7,7 x 6,8 cm (366 cm³), preenchendo e distendendo a cavidade uterina, com extensão ao canal vaginal, promovendo compressão posterior sobre a bexiga urinária. A ecografia pélvica via transperineal complementar evidenciou que tal coleção se estendia até o hímen/introito vaginal, terminando a apenas 5 mm da superfície da sonda de ultrassom, confirmando a hipótese de hímen imperfurado como causa de hematocolpo. Paciente foi submetida a himenectomia com eletrocautério com abertura de uma janela oval de 1 cm no hímen e drenagem de volumosa quantidade de sangue (estimativa de 450 mL).

COMENTÁRIOS

A ultrassonografia é um exame de imagem muito utilizado em ginecologia, sendo a via pélvica transabdominal indicada para crianças e mulheres virgens. No entanto, este exame, isoladamente, nem sempre consegue identificar a etiologia do hematocolpo. Por outro lado, a complementação com uma ecografia pélvica via transperineal pode ser uma alternativa de grande utilidade na avaliação destas pacientes. Possibilita informar a extensão e localização da obstrução, permitindo assim um planejamento terapêutico cirúrgico adequado, sem a necessidade de um exame de imagem complementar como a ressonância magnética.

PALAVRA CHAVE

Ecografia pélvica via transperineal

Área

GINECOLOGIA - Infância e Adolescência

Autores

Liliane Diefenthaeler Herter, Noadja Tavares de França, Fernanda Eloiza Novello, Fernanda Courtois, Ana Carolina Radin, Claudia Mendes Tagliari

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo