59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

Fórceps obstétrico. Indicações atuais

OBJETIVO

Rever, de forma sistemática, a literatura para as indicações atuais do fórceps obstétrico

FONTE DE DADOS

Foram consultadas a Biblioteca Virtual em Saúde (Lilacs, Literatura Latinoamericana de Ciências da Saúde (bvsalud.org) ; Biblioteca Eletrônica Científica Online (SciELO) www.scielo.br e PubMed (National Library of Medicine) (pubmed.ncbi.nlm.nih.gov). Foram recuperadas apenas duas revisões nos últimos dez anos da literatura nacional e 39 referências da literatura internacional.

SELEÇÃO DE ESTUDOS

Para a seleção dos estudos utilizou-se o programa PICO Research da US National Library of Medicine (askmedline.nlm.nih.gov/ask/pico.php) com a seguinte estratégia: P=pacientes (partos obstétricos; deliveries, obstetrical), I=intervenção (fórceps obstétrico; forceps,obstetrical), C=control (partos espontâneos; deliveries, spontaneous), O=outcome (desfecho como morbidade, morbidity)

COLETA DE DADOS

Os dados foram coletados da internet com o auxílio do próprio programa PICO e do EndNote,.

SÍNTESE DE DADOS

Os dados foram sintetizados de acordo com os seguintes termos: indicações, morbidade e mortalidade materna e perinatal, tipos de instrumento, altura da apresentação, tipo de apresentação e variedade da posição

CONCLUSÕES

Foram reconhecidas como indicações atuais para o fórceps obstétrico: maternas: abreviação do segundo período do trabalho de parto quando este pudesse ser danoso para a mãe (cardiopatias, pneumopatias, convulsões e cicatriz uterina); fetais: parada de progressão no período de dilatação, sofrimento fetal agudo e cabeça derradeira na apresentação pélvica que não tenha sido resolvida com as manobras devidas. É importante chamar a atenção para os seguintes elementos para a prática do fórceps: condições de praticabilidade, experiência do obstetra e ambiente que permita a prática da cesariana em caso de falha. São fatores de risco para a morbimortalidade materna e perinatal: a altura da apresentação, variedade de posição, a aplicação repetida do instrumento e o número de trações. O tipo de instrumento deve ficar a cargo do obstetra. Por último, a cesariana realizada no segundo período do trabalho de parto apresenta menos risco para a morbimortalidade materna e perinatal do que a operatória obstétrica transpélvica.

PALAVRA-CHAVE

FORCEPS OBSTÉTRICO, INDICAÇÕES, MORBIDADE, OPERATÓRIA OBSTÉTRICA

Área

OBSTETRÍCIA - Ensino, Treinamento e Avaliação

Autores

ALFREDO DE ALMEIDA CUNHA

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo