59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

PERFIL DE INTERNAÇÃO E MORTALIDADE POR NEOPLASIA MALIGNA DE MAMA EM MULHERES PERNAMBUCANAS

OBJETIVO

PERFIL DE INTERNAÇÃO E MORTALIDADE POR NEOPLASIA MALIGNA DE MAMA EM MULHERES PERNAMBUCANAS

MÉTODOS

Foi realizado um estudo descritivo, quantitativo, que avaliou as internações, procedimentos e óbitos por neoplasia maligna de mama (CID 10 – C50), no período de 2000 a 2016, registrados nos Sistemas de Informações Hospitalares (SIH), Ambulatoriais (SIA) e sobre Mortalidade (SIM). Foram calculadas taxas padronizadas de internação e mortalidade, frequências absolutas, relativas e coeficiente de variação proporcional. Para análise temporal foi realizada a análise de tendência linear, cujas decisões foram tomadas considerando-se o nível de significância estatística de 5,0%. O presente estudo foi desenvolvido respeitando-se os parâmetros bioéticos da resolução n° 466/2012 da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa.

RESULTADOS

No período estudado, foram registradas no SIH, 30.895 internações por câncer de mama em Pernambuco, sendo 98,6% de residentes do estado e 98,1% do sexo feminino. A taxa padronizada de internação apresentou crescimento médio mensal de 3,7 óbitos por 100.000 mulheres. Os grupos de 40-49 e 50-59 anos foram os que apresentaram maiores taxas de internação. Mais de 90,0% das internações aconteceram na I Regional de Saúde. As internações custaram mais de 37 milhões de reais, com o crescimento do valor médio de cada internação. Em relação aos óbitos, observou-se um registro de 8.871 óbitos por câncer de mama no estado. Do total, 98,9% ocorreram no sexo feminino. A taxa padronizada de mortalidade apresentou crescimento médio anual de 13,1 óbitos por 100.000 mulheres. Houve um aumento da idade no momento do óbito, que ficava na faixa de 50-59 anos e, já em 2016, passa para 60-69 anos. Os óbitos foram responsáveis por um total de 109.370 Anos Potenciais de Vida Perdidos, dos quais 99,4% ocorreram nas mulheres.

CONCLUSÕES

Percebe-se o aumento das taxas de internação e mortalidade por câncer de mama no estado de Pernambuco, padrões que confirmam o complexo perfil epidemiológico, que associa às doenças do atraso, a presença das doenças da modernidade. Os custos ao sistema, também aumentaram ao longo do tempo, fruto do aumento das internações. Além disso, a maioria dos procedimentos realizados no estado concentram-se na Capital, implicando na necessidade de afastamento de suas regiões de residência.

PALAVRA CHAVE

Câncer de mama; Pernambuco; Internação; Mortalidade

Área

GINECOLOGIA - Epidemiologia

Autores

José Reginaldo Alves Queiroz Júnior, Milena Rodrigues Melo Vila Real, Marina Pessoa Paiva, Cláudia Porto Sabino Pinho Ramiro, Márcia Silva Oliveira, Agostinho Sousa Machado Júnior

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo