59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

Avaliação da remissão espontânea das Neoplasias Intraepiteliais Cervicais grau II em mulheres jovens

OBJETIVO

Avaliar a taxa de regressão espontânea da Neoplasia Intraepitelial Cervical grau II (NIC II) através de conduta expectante.

MÉTODOS

Realizou-se um estudo de coorte retrospectivo, onde foram avaliadas, a partir de prontuário, mulheres referenciadas ao serviço de colposcopia entre 2012 e 2016, com diagnóstico histopatológico de NIC II, sendo incluídas as mulheres com idade menor ou igual a 30 anos. Pacientes com graus de NIC maiores, testes inconclusivos, imunocomprometidas ou ausência de informações referentes ao diagnóstico no prontuário foram excluídas. 73 pacientes estudadas foram divididas em 2 grupos de acordo com o manejo, no primeiro grupo 47 foram submetidas a vigilância ativa, já no segundo, em 26 pacientes foi realizada a intervenção cirúrgica, por conização. Essa seleção foi realizada de acordo com o manejo indicado pelo médico assistente a partir da avaliação do tamanho do cérvix e da lesão, extensão glandular e achados citológicos e colposcópicos. Essas pacientes foram acompanhadas por colposcopia e citologia semestralmente por 3 anos, para avaliação da lesão. No caso de progressão da lesão, as pacientes foram abordadas cirurgicamente. Foi realizada também a avaliação da relação entre perfil pessoal, obstétrico e sexual das pacientes, com o prognóstico. Para isso, foram calculadas as frequências percentuais e construídas as respectivas distribuições de frequência. Foi aplicado, ainda, o teste Qui-quadrado para avaliar a homogeneidade para comparar a distribuição dos fatores entre os dois grupos. Nos casos em que as suposições dos teste foram violadas, aplicou-se o teste Exato de Fisher. O alfa do estudo foi definido em 5%.

RESULTADOS

Dentre as pacientes submetidas a conduta expectante a maioria regrediu espontaneamente (70,2%) (p=0.006). O não uso de anticoncepcionais orais (ACO) (83,3%) e pacientes nuligestas (85,7%) apresentaram uma maior regressão entre as pacientes com conduta expectante, apresentando relevância estatística (p<0,05).

CONCLUSÕES

Com base na taxa de regressão após conduta expectante, percebe-se que o manejo conservador parece ser viável para as mulheres com diagnóstico de NIC II com idade inferior ou igual a 30 anos, especialmente as nuligestas e que não fazem uso de ACO. Isso pode acarretar em uma redução no número de procedimentos cirúrgicos e possíveis complicações, como desfechos obstétricos desfavoráveis.

PALAVRA CHAVE

Remissão espontânea; Conduta Expectante; Neoplasia Intraepitelial Cervical.

Área

GINECOLOGIA - Patologia do Trato Genital Inferior

Autores

Bruna Bastos Gonçalves, Henrique Guimarães Barbosa Coelho, Maria Layane Fernandes de Oliveira, Marilea De Lima Guimarães, Agostinho De Sousa Machado Júnior

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo