59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

OBESIDADE MÓRBIDA E COMPLICAÇÕES PERIPARTO: UM RELATO DE CASO

CONTEXTO

A obesidade é considerada uma doença crônica pela Organização Mundial de Saúde e é definida pelo acúmulo excessivo de gordura corporal. Acrescenta riscos à saúde, com grande impacto na gestação, parto e puerpério uma vez que gestantes obesas têm maiores complicações tais quais: diabetes mellitus gestacional, pré-eclâmpsia, aumento das taxas de cesariana, internação hospitalar, infecção de ferida operatória, hemorragia pós parto, prematuridade, macrossomia fetal e malformações congênitas como defeito de tubo neural.

DESCRIÇÃO DO(S) CASO(S) ou da SÉRIE DE CASOS

A.A.B, 27 anos, segunda gestação e um aborto prévio, portadora de obesidade mórbida (Peso 271kg, Índice de massa corporal: 112,7Kg/m²), Hipertensão Arterial Crônica e Linfedema bilateral em membros inferiores. Passado de Infarto Agudo do Miocárdio e tabagismo importante. Pré-natal realizado em maternidade de alto risco com múltiplas internações hospitalares para melhor controle da pressão arterial. Diante do diagnóstico de pré-eclâmpsia sobreposta foi internada com 36 semanas e 6 dias para a programação do parto. Em função de descontrole pressórico refratário aos anti-hipertensivos e dificuldade de avaliar o bem-estar fetal devido ao biotipo materno, optou-se pela cesárea de urgência. Submetida a anestesia geral com via área de difícil acesso. Evolução para atonia uterina revertida com uso de uterotônicos. Recém-nascido vivo, peso 2890g, apgar 6/8. Após o parto, encaminhada aos cuidados de terapia intensiva, mantida em ventilação mecânica e antibioticoterapia à custa de pneumonia broncoaspirativa. Em razão da dificuldade de mobilidade permaneceu internada por onze dias. Alta hospitalar com anticoagulação profilática.

COMENTÁRIOS

Frente às complicações relacionadas à obesidade na gravidez, torna-se necessário o acompanhamento em pré-natal de alto risco e assistência ao parto em unidade terciária com equipe multidisciplinar capacitada para lidar com os eventos adversos. Tal demanda exige maiores gastos às instituições pois esse perfil gestacional pode custear até cinco vezes a mais quando comparado a uma gestação de baixo risco. Além disso, é essencial a avaliação pré-anestésica e orientação pré-concepcional quanto a mudança no estilo de vida, perda ponderal e suplementação vitamínica, como uso de ácido fólico para reduzir os riscos de defeitos do tubo neural. Estas medidas preventivas quando adotadas corretamente proporcionam melhor desenvolvimento da gestação e consequentemente redução das complicações.

PALAVRA CHAVE

Obesidade. Gestação de alto risco. Defeito de tubo neural.

Área

OBSTETRÍCIA - Gestação de Alto Risco

Autores

Mônica Breta Motta, Rafaela Karina de Oliveira Tinôco, Maria Clara Araújo Marques, Annita Martins Rocha Torres, Raissa Gracio Teixeira, Anna Terra de Melo, Mariana Fortes Balzana, Carolina Carvalho Mocarzel

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo