59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

Atualização epidemiológica acerca da Violência Sexual e/ou Outras para com as mulheres na cidade de Cuiabá entre 2016 a 2021.

OBJETIVO

Objetiva-se com esse trabalho realizar uma análise epidemiológica sobre os casos de violência sexual e outras na capital do Mato Grosso.

MÉTODOS

Trata-se de um estudo no repositório de dados dos sistemas de informações da secretaria do Estado de saúde de Mato Grosso DwWEB- ses MT, onde foi realizada uma análise sobre os casos de violência na cidade de Cuiabá nos anos de 2016 à 2021 analisando sua prevalência de acordo com o ano de ocorrência, escolaridade, faixa etária, raça, sexo, se estava gestante, se presença de transtornos mentais e o tipo de violência sofrida.

RESULTADOS

Foram denunciados 2.841 casos de violência na cidade de Cuiabá durante o período analisado, sendo destes, 2.218 casos contra pacientes do sexo feminino. Quando analisado apenas a raça, houve uma predominância significativa nas mulheres pardas (1.311 casos) seguida das mulheres brancas e negras. As mulheres com escolaridade entre a 5ª e 8ª série incompleta foram as principais vítimas, correspondendo a 16,97% do total. Nas pacientes gestantes foram 204 casos, aproximadamente 9,20% das ocorrências, sendo a maioria no terceiro trimestre de gestação. Os anos com o maior número de denúncias registradas foram os de 2019 (482 casos), 2020 (473 casos) e 2018 (431 casos). 5,18% de todas as vítimas sofriam de algum transtorno mental. Por fim, analisando os tipos de violência, foi observado que a grande maioria dos casos foi decorrente de violência física (43,87%), seguida da violência sexual 900 casos (40,58%), 714 casos (32,19%) violência sexual por meio de estupro, 161 casos (7,26%) violência sexual por assédio sexual, 468 casos (21,10%) de violência psicológica moral, e que a minoria dos casos, foi devida violência relacionada ao ambiente de trabalho (1,04%) e a violência econômica (1,31%).

CONCLUSÕES

É notório que a violência contra a mulher é um assunto grave a ser abordado no sistema de saúde e segurança. Os números são expressivos e as denúncias vem aumentando com o passar dos anos, como foi evidenciado no trabalho. Sendo assim, é visível a necessidade de medidas públicas e maiores redes de apoio a estas mulheres que muitas vezes são vítimas não só dos agressores, mas também de um sistema falho em compreender as causas e descontruir comportamentos de violência para com as mulheres.

PALAVRA CHAVE

Violência contra a Mulher; Saúde da Mulher;

Área

GINECOLOGIA - Epidemiologia

Autores

kauanny fernandes lima, Ianka Cardoso Dal Bosco, Marcelo boscov oliveira dos santos, Hyalla kayoma Fernandez Roussenq, Michael Wesley Schmidt, Letícia Wisnieski Bett

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo