59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

CISTOS DE INCLUSÃO MESOTELIAL EM ÚTERO GRAVÍDICO: RELATO DE CASO

CONTEXTO

Cisto de inclusão mesotelial são tumores benignos raros, aderidos à superficie serosa das vísceras e que predominam no sexo feminino em idade reprodutiva. Estas lesões, correspondem a uma proliferação incomum das células mesoteliais na cavidade abdominal, principalmente na pelve, mas podem atingir também o abdome superior, retroperitônio e a pleura visceral, em pacientes expostas ao asbesto. Foi descrito pela primeira vez em 1928, por Plaut, que observou cistos soltos na pelve durante a retirada de um leiomioma. No mundo há menos de 200 casos relatados e, até 2015, apenas seis casos durante a gravidez, sendo descobertos acidentalmente durante a cesariana.

DESCRIÇÃO DO(S) CASO(S) ou da SÉRIE DE CASOS

Paciente feminina, branca, 38 anos, com queixa de dor abdominal e ciclo menstrual irregular, apresenatndo amenorréia de 3 meses. Procurou cirurgião geral que realizou ultrassom abdominal e descobriu, acidentalmente, gravidez de aproximadamente cinco meses. Foi encaminhada ao obstetra, que iniciou o pré-natal. A mesma, apresentava como antecedentes, ovários policísticos e cirurgia prévia para exerese de cisto seroso simples de ovário aos 24 anos. Com 38 semanas e cinco dias de gestação a paciente entrou em trabalho de parto e foi internada. Por apresentar pressão arterial de 160x100 mmHg, optou-se pela resolução do parto via cesariana. Durante o procedimento, ao expor o útero gravídico, notou-se a presença de múltiplos cistos aderidos à camada externa do órgão, de várias formas e tamanho, assustando toda a equipe. Uma amostra do tecido cístico foi coletada e o anátomo patológico confirmou tartar-se de cistos de inclusão peritoneal ou mesotelial.

COMENTÁRIOS

Sua verdadeira etiologia permanece polêmica e desconhecida. A maioria acredita ser uma lesão de origem reativa, não neoplásica, devido à condições hormonais como estágio reprodutivo, cirurgia abdominal prévia, afecções inflamatórias (doença inflamatória pélvica e endometriose) e ausência de atipias celulares ou mitoses. Porém, devido a sua presença em alguns casos sem cirurgia prévia ou processos inflamatórios, alguns autores teorizam uma possível origem neoplásica. Por esta razão, sugeriu-se que os cistos de inclusão mesotelial, nestes casos, podem ser alocados entre tumores adenomatosos e/ou mesoteliomas malignos. Visto que a maioria dos casos são benignos, se faz de grande importância conhecer tal fenômeno, já que sua nomenclatura pode, muitas vezes, ser interpretada erroneamente, acarretando em abordagens terapêuticas agressivas ou mutilantes.

PALAVRA CHAVE

cisto mesotelial do peritônio, mesotelioma multicístico benigno, cistos multiloculares de inclusão peritoneal

Área

OBSTETRÍCIA - Obstetrícia Geral

Autores

Welington Lombardi, Luciana Borges Lombardi, Flavia Vicentin Silva, Carla Freitas, Carolina Fernanda Silva, Marina Abud Ferreira, Mizia Cristina Costa Lourenzoni

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo