59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

O DIAGNÓSTICO DE SÍFILIS NO PRÉ-NATAL E O PERFIL SOCIOECONÔMICO DAS GESTANTES

OBJETIVO

Avaliar a correlação entre o diagnóstico de sífilis e os dados socioeconômicos de gestantes.

MÉTODOS

Análise de dados coletados pela aplicação de questionário, avaliação de prontuário e cartão da gestante de 187 gestantes com idade acima de 18 anos e que realizavam acompanhamento pré-natal em locais determinados pelo estudo, localizados em Aracaju e em Barra dos Coqueiros, no estado de Sergipe. A análise estatística foi feita por análise univariada, com tabelas de distribuição de frequência e testes de associação de variáveis pelo software de domínio público “R” para análise e elaboração.

RESULTADOS

Das 187 pacientes do estudo, 7 (3,74%) tiveram VDRL positivo, 38 não obtiveram o resultado e 142 apresentaram VDRL negativo. Dentre as gestantes com VDRL positivo, 1 (14,29%) era autodeclarada branca, 1 (14,29%) negra e 5 (71,43%) eram pardas. Com relação ao estado civil das gestantes com sífilis, 3 (42,86%) gestantes eram casadas, 2 (28,57%) solteiras e 2 (28,57%) tinham união estável. A escolaridade com maior acometimento foi o ensino médio incompleto, com 4 (57,14%) gestantes positivas e nenhuma gestante com superior completo ou incompleto obteve resultado positivo. Com relação a residência das pacientes com VDRL positivo, 4 (57,14%) moram em Aracaju-SE, 2 (28,57%) eram do interior do estado de Sergipe e 1 (14,29%) da Grande Aracaju. Por fim, dentre as pacientes positivas, 5 (71,43%) possuíam renda familiar menor que 1 salário mínimo e 2 (28,57%) tinham uma renda entre 1 a 3 salários mínimos.

CONCLUSÕES

Foi encontrado um predomínio de sífilis gestacional em pardas. A maioria das gestantes com VDRL positivo eram casadas. Em relação à renda familiar, houve predomínio em gestantes da classe E e em gestantes com ensino médio incompleto. No estado de Sergipe, Aracaju foi onde houve o maior número de casos. Diante desses resultados, nota-se a necessidade de uma maior atenção à saúde de gestantes em situação de vulnerabilidade social e financeira. Do ponto de vista político, nota-se a necessidade de melhores políticas públicas de assistência à saúde e educação.

PALAVRA CHAVE

Sífilis; Gestação; Fatores Socioeconômicos

Área

OBSTETRÍCIA - Doenças Infecciosas

Autores

Laís Baldin, Vinícius da Silva Martins, Júlia Dória Fontes, Gabriela Oliveira Abreu de Faria, Maria Luiza Souza Rates, Alberto José da Costa Santos, João Eduardo Andrade Tavares de Aguiar, Júlia Maria Gonçalves Dias

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo