59º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

A aplicação de um protocolo de recursos não farmacológicos na fase ativa do trabalho de parto minimiza resultados obstétricos adversos.

OBJETIVO

O alívio da dor no trabalho de parto (TP) proporcionado por recursos não-farmacológicos (RNF) é um benefício conhecido. Porém, se desconhece o efeito desses recursos sobre outros desfechos maternos e perinatais. Por isso, este estudo visa avaliar, além da dor, a duração das fases do TP, a prevalência de distocias, o momento da corioamniorrexe e resultados perinatais de parturientes, de risco habitual, assistidas por um protocolo de RNF aplicado por fisioterapeutas.

MÉTODOS

Ensaio clínico randomizado, com alocação oculta, avaliador cego e análise por intenção de tratar que incluiu 80 primigestas, com gestação a termo, de feto único, cefálico, com dilatação cervical (DC) de 4 cm, TP espontâneo e sem qualquer fármaco até randomização. As parturientes foram separadas em grupo intervenção (GI, n=40)) e controle (GC, n=40). No GI, elas receberam um protocolo com as seguintes intervenções sequenciais: deambulação (DC 4-5cm), alternância de posturas verticais associadas à eletroestimulação nervosa transcutânea - ENT (DC 6-7cm) e banho de chuveiro morno (DC >7cm). O GC foi assistido conforme rotinas da maternidade. Os dados do TP foram anotados no partograma. Desfechos primários: duração da fase ativa e período expulsivo, prevalência de distocias, suspeita de sofrimento fetal, Apgar de 5º minuto < 7 e admissão em centro de terapia intensiva neonatal. Desfechos secundários: DC na corioamniorrexe e necessidade de ocitocina. Teste t ou Mann-Whitney e qui-quadrado foram utilizados para comparar variáveis quantitativas e qualitativas, respectivamente.

RESULTADOS

Parturientes do GI tiveram menor duração da fase ativa do TP (GI=380 minutos; GC=492 minutos; p=0,02), rotura de membranas mais tarde (GI=8cm; GC = 7cm; p <0,01), solicitaram analgesia farmacológica com DC maior (GI=8cm; GC=5cm; p <0,01), menos doses adicionais de analgésicos e tiveram menores taxas de distocia de parto que as mulheres do GC. Não houve diferenças entre os grupos para as demais variáveis maternas e perinatais.

CONCLUSÕES

A implementação deste protocolo de RNF sequenciais tem potencial para reduzir dor no TP, representado por redução e retardo do uso de analgesia farmacológica, diminuir duração da fase ativa do TP e taxas de distocias. As maternidades devem fornecer este protocolo e as mulheres devem ser encorajadas a solicitar essa forma de atendimento ao parto. Ainda, os resultados deste estudo destacam a importância da equipe multiprofissional na busca da excelência na assistência à parturiente e seu filho.

PALAVRA CHAVE

Parto normal, recurso não farmacológico, fisioterapia, ensaio randomizado, distocia, dor, resultados perinatais.

Área

OBSTETRÍCIA - Multidisciplinar

Autores

Lícia Santos Santana, Rubneide Barreto Silva Gallo, Silvana Maria Quintana, Geraldo Duarte, Cristine Homsi Jorge Ferreira, Alessandra Cristina Marcolin

Adicione na sua agenda: AppleGoogleOffice 365OutlookOutlook.comYahoo